Sede da Microsoft

O dia que eu fui nomeada Microsoft MVP

Ontem (01/10/20) fui premiada com o título MVP (Microsoft Most Valuable Professional) na categoria Cloud and Datacenter Management. A trajetória para esse reconhecimento acima de tudo tem a ver com as pessoas que me inspiraram e apoiaram, e esse post é dedicado a elas.

Prêmio MVP

Essa estrada se iniciou com a empresa Lambda3, em que trabalhei entre 2017 até o início deste ano. Comecei lá como desenvolvedora .NET e participei de um projeto em que o extinto time de Consultoria também atuava, liderado na época pelo Igor Abade, hoje CEO da Cloud Motion. Conheci o Emmanuel Brandão, um MVP que me incentivava a escrever artigos e participar de palestras e eventos. Eu achava que não tinha nada muito interessante pra falar, que todos os assuntos que eu poderia compartilhar já eram dominados por todo o público de TI. Um dia apareceu uma vaga em um evento liderado pela Thamirys, também MVP, e tive a oportunidade de apresentar minha primeira palestra.

O que realmente me colocou nesse caminho foi a leitura do livro do Eric Evans “Domain Driven Design”, motivada por pura teimosia (leia-se “birra”) depois de ter sido criticada (construtivamente) durante a entrevista na Lambda3 por escrever classes anêmicas e defender boilerplates de projetos .NET com arquitetura multipropósito que alegadamente “resolvem a maioria dos problemas pequenos-médios em cenários corporativos”. Foi uma leitura densa, que me levou não só a entender mas concordar com a crítica. Durante um debate sobre o direcionamento técnico que um projeto deveria tomar, me veio a “inspiração” e escrevi meus dois primeiros artigos técnicos, em uma madrugada, publicados no Medium e posteriormente revisados e publicados no site da Lambda3. Os artigos abriram terreno para outras palestras e conteúdos derivados, e a recepção da comunidade foi pra mim um indicador de que mesmo um tema antigo pode ainda ser atual, e que eu tenho algum talento para estudar assuntos complexos e traduzi-los em linguagem acessível.

Eventualmente fui convidada pelo time de Consultoria a me tornar consultora DevOps. O trabalho exigia muito estudo e desenvoltura com comunicação, entendimento das necessidades técnicas e humanas envolvidas no projeto, desenvolvimento de estratégias para proporcionar soluções, elaboração e execução de workshops e treinamentos, e suporte na implementação das soluções. As mesmas habilidades que eu estava desenvolvendo para o trabalho de consultoria seriam usadas na comunidade.

A Lambda3 não pressiona ninguém a contribuir, mas fornece todo o apoio para que os interessados possam se desenvolver e ter espaço pra falar. A rede de contatos e eventos me permitiu uma visibilidade que eu não teria tão rápido se estivesse 100% por conta. O suporte, incentivo e a confiança do Igor Abade no meu trabalho, as conversas sobre Kubernetes e práticas de desenvolvimento com o Giovanni Bassi, o aconselhamento sobre agilidade, comunicação e solução de conflitos com o Victor Hugo e o apoio humano do Victor Cavalcante não só contribuíram para minha formação como profissional, mas como pessoa também.

Sócios da Lambda3 na época em que eu iniciei
Formação em 2018 do quadro societário da Lambda3. Da esquerda para a direita, Victor Cavalcante, Victor Hugo, Giovanni Bassi e o Igor Abade, hoje CEO da Cloud Motion

Vieram outros artigos, palestras, e finalmente, podcasts. A série de Microsserviços na Lambda3 foi uma oportunidade para me posicionar tecnicamente e lidar com a pressão (não intencional) de debater com o Giovanni Bassi e Elemar Júnior na mesma sala. Senti minha confiança aumentar a cada episódio. O que compartilhamos são conselhos das trincheiras de anos de projetos e consultoria, observação de mercado e “desbravamento” de tecnologias modernas, como o Kubernetes. Foi uma troca de experiências inesquecível, que além de tudo, me proporcionou conhecer pessoalmente o Elemar Júnior e vir a me tornar parte do time da Exímia Co., dando início a outra etapa da minha vida, com outras grandes oportunidades, mas sempre com esse suporte tecnológico e humano.

Integrantes da série de Microsserviços do podcast da Lambda3
Integrantes da série de Microsserviços do podcast da Lambda3, da esquerda para a direita, Koji (Capco), eu, Lucas Teles (hoje na Nubank), Elemar Júnior (EximiaCo) e Giovanni Bassi (Lambda3)

Me sinto privilegiada pela oportunidade de conhecer e trabalhar com pessoas tão incríveis. Agora é hora de retribuir e me empenhar em contribuir para a comunidade de maneira ética e com qualidade de mercado, assim como os MVP’s que me inspiraram.

Se eu vi mais longe, foi por estar sobre ombros de gigantes.”

Isaac Newton

Publicado por

Grazi Bonizi

Coordeno a trilha de Arquitetura .Net no The Developers Conference, compartilho código no GitHub, escrevo no Medium e no Blog da Lambda3, e participo de Meetups e PodCasts normalmente sobre DevOps, Azure, .Net, Docker/Kubernetes e DDD

2 comentários em “O dia que eu fui nomeada Microsoft MVP

Deixe uma resposta